Milton Beck, diretor do LinkedIn no Brasil.

Milton Beck é um engenheiro mecânico, pós-graduado em administração de marketing e negócios pela FGV e juntou-se ao LinkedIn em 2012 como diretor de vendas na área de Soluções de Talentos. É ele o responsável por todos os produtos de recrutamento que auxiliam empresas a serem mais bem sucedidas e produtivas na criação e manutenção de suas marcas como empregadoras.

Segundo Milton Beck, o LinkedIn é uma rede social profissional que congrega no mundo 240 milhões de usuários, sendo 15 milhões apenas no Brasil, crescendo com uma taxa de mais de 100 mil novos usuários por semana.

Uma característica importante da rede é que existem diversas formas de segmentá-la. Uma informação muito importante para os RHs é que 80% dos profissionais que estão na rede desejam se conectar com outros profissionais para aprenderem e serem melhores no que fazem. Apenas 20% destes profissionais estão em busca de emprego. “Se você multiplicar isso pelos nossos números, significa que 13 milhões não estão em procurando um novo emprego, mas sim buscam ser melhores em suas carreiras.

“Ter acesso aos melhores profissionais do país e do exterior traz para sua empresa  uma vantagem competitiva e única que quebra os paradigmas de comunicação de talentos no mundo“.

Acredite se quiser Milton confessa participar de outras rede sociais além do LinkedIn, como o Facebook e afirma que cada rede possui uma finalidade diferente.

“Quando eu quero combinar o meu programa de fim de semana
e falar sobre futebol eu uso o Facebook, quando eu quero
desenvolver minha carreira profissional e fazer um contato comercial
eu vou para o LinkedIn. Eles não são concorrentes, são complementares”
.

Com o tema “Atração de talentos através de redes sociais profissionais”, Milton Beck iniciou a palestra agradecendo o convite e explicando como os RHs podem utilizar as ferramentas da rede de forma profissional e assim encontrar e contratar os melhores talentos mundiais. Ele mostrou seu perfil na rede e contou um pouco sobre sua experiência e carreira, sua formação como engenheiro mecânico, os quatorze anos de experiência na Microsoft e o lançamento do XBox no Brasil.

A missão do LinkedIn, segundo ele, é ser uma rede social profissional que tem como objetivo conectar os profissionais do mundo para torná-los mais bem sucedidos e produtivos em suas vidas profissionais, seja dentro de seu emprego, em outra empresa ou no seu próprio negócio. “Em outras redes sociais uma pessoa passa o tempo, no LinkedIn ela investe”, ele explica.

Milton faz um comparativo entre os perfis de pessoas em diferentes ambientes nas redes sociais, as mesmas pessoas em situações e formas de apresentação diferentes. “Quando você se apresenta em variados ambientes, também se apresenta de formas diferente. Quando me apresentei hoje para vocês, falei sobre o meu currículo profissional porque era a forma mais relevante dentro do contexto em que estamos. Quando eu vou buscar meus filhos na escola essa informação é irrelevante, eles só querem saber de qual criança eu sou pai”, ele conta.

Segundo uma pesquisa que analisa as preferências das pessoas em relação às redes sociais, ficou comprovado que 72% não gostam de misturar as duas coisas. Ou seja, seus grupos profissionais ficam à parte do seus grupos pessoais e sociais de amizades. As redes são sim complementares, mas diferentes.

Ao fazer uma busca por um nome no Google, normalmente aparece o perfil do LinkedIn em primeiro lugar. Portanto, é de grande importância que as pessoas façam seu marketing pessoal da melhor forma possível. Milton dá algumas dicas para complementar o perfil na rede “Quando forem criar um perfil, trabalhem com carinho e cuidado na forma como você se expõe para outras pessoas. Coloque uma foto na qual você estaria em uma sala de reunião e não em um churrasco de fim de semana. Coloque informações sobre as empresas nas quais trabalhou e o que fez de relevante em cada uma delas. Inclua e anexe trabalhos feitos. Caso não tenha tanta experiência assim, anexe trabalhos de formatura, voluntários, participe de grupos de interesse e etc. Todas estas informações são úteis e agregam valor, encontram conexões valiosas e são encontradas. Hoje, mais de 5 milhões de buscas por nome de pessoas são feitas na rede por ano”.

Outra informação importante é a movimentações de pessoas. Uma pessoa que muda de empresa, tem seu status alterado no LinkedIn. Para quem trabalha com contratações, essa informação pode ser muito útil pois talvez a empresa queira contratar uma pessoa mas não possui a informação de que ela estava disponível no mercado. Um outro exemplo é a empresa querer fazer negócio com outra empresa mas não ter um contato conhecido dentro dela. Ainda segundo Milton, hoje são feitas mais de 2 bilhões de atualizações na rede, seja de status, notícias, novos produtos, conexões e etc.

Milton Beck citou também a influência dos dispositivos móveis, considerado hoje a 7ª revolução de mídia do mundo e que já toma 30% dos acessos do LinkedIn. Diariamente, são comercializados no mundo mais de 1 milhão de dispositivos móveis, proporcionalmente 4,5 vezes o número de crianças que nascem. Ou seja, para cada criança que nasce, existem 25 celulares. Hoje existem ferramentas utilizadas por recrutadores para fazerem seus processos de seleção e busca através do dispositivo celular, uma tendência nos Estados Unidos, Europa e agora no Brasil também.

Segundo a pesquisa, os três principais motivos pelos quais as pessoas estão no LinkedIn são: 1. Se conectar a outros profissionais, 2. Manter a vida profissional e 3. Pesquisar novos contatos de negócios. A busca por um novo emprego aparece somente no 8º item da lista. Para Milton, esses números indicam um grande diferencial para quem quer contratar.

Leave a Reply